A Plataforma Global do Café Brasil, ao lado de parceiros locais e internacionais, irá implementar sua nova iniciativa de ação coletiva, intitulada Bem-Estar Social da GCP, para melhoria das condições de trabalho nas principais regiões produtoras de café arábica e canéfora (conilon/robusta) de Minas Gerais e Espírito Santo.

Nas últimas semanas surgiram novos casos de trabalhadores resgatados de condições terríveis de trabalho no café. As autoridades responderam às denúncias e as investigações estão em andamento. A iniciativa da Plataforma vem com o intuito de superar esses desafios sociais e trabalhistas, intensificar ações educacionais e promover maior consciência sobre o tema.

Serão coletados os dados e feito monitoramento das regiões produtoras por meio de ferramentas e sistemas digitais, com suporte de uma rede de parceiros implementadores, incluindo cooperativas de café, traders, serviços de extensão e recursos de torradores internacionais, varejistas e outros atores da cadeia.

A Iniciativa Bem-Estar Social da GCP Brasil é uma ação coletiva, desenvolvida por pessoas que entendem a realidade local, em coordenação com a Pacto Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO) e Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

O objetivo é a identificação e enfrentamento das causas-raiz de condições degradantes de trabalho nas regiões cafeeiras, e o estabelecimento de um modelo de atuação baseado em mudanças de comportamento por meio de:

• Abordagem coletiva, de larga-escala, de investimento sustentável

• Iniciativa de quatro anos para criar benefícios de longo prazo no campo

• Parceiros financiadores e parceiros implementadores trabalhando juntos

• Intervenções integradas alavancando ferramentas de monitoramento efetivas

• Resposta colaborativa para superar problemas persistentes que geram práticas trabalhistas inaceitáveis no café

A Iniciativa Bem-Estar Social pretende ter atividades como:

• Discussões facilitadas e comunicação para aumentar a consciência do setor sobre práticas sociais inaceitáveis;

• Estudos de living income/living wage para definir níveis mínimos de produtividade e área de propriedade, para sustentabilidade do produtor;

• “Treinamento de treinadores” e ações educativas diversas para técnicos e produtores sobre exigências da legislação trabalhista e boas práticas sociais;

• Conjunto de ações integradas, combinadas com monitoramento frequente;

• Intervenções regionais específicas (onde os riscos sociais são maiores), criadas com base em

dados do Índice de Vulnerabilidade InPACTO, do CSC App (aplicativo Currículo de Sustentabilidade do Café) e de discussões com a cadeia;

• Parâmetros corretivos relacionados a condições sociais inseridos no Sistema Interno de Gestão da GCP, ligados a informações coletadas e monitoradas pelo CSC App.

“Nós sabemos que nenhuma ação isolada poderá resolver os problemas sociais complexos que levam a condições de trabalho degradantes no café. Porém, acreditamos que há uma possibilidade de superar estes desafios se trabalharmos juntos, através de um modelo efetivo de mobilização da cadeia e ação coletiva ‘de baixo para cima’. Convidamos a todos os parceiros do setor café, desde torrefadores, varejistas e empresas de alimentação às certificações, cooperativas e traders, para participar e apoiar esta iniciativa fundamental da GCP Brasil. Estamos confiantes que uma iniciativa estruturada e escalável pode fazer uma grande diferença na melhoria das condições sociais de produtores e trabalhadores do café no Brasil, e fora”, explica a Plataforma Global do Café.

Para mais informações sobre a Iniciativa de Bem-Estar Social da GCP Brasil, entre em contato através dos e-mails: [email protected][email protected]

Fonte